Efeitos tardios da infecção pelo vírus da Zika: uma entrevista

child baby newborn arms
Photo by Pixabay on Pexels.com

Em pesquisa recente, cientistas brasileiros mostram que, possivelmente, ainda não conhecemos todos os efeitos da infecção pelo vírus da Zika durante a gestação ou logo após o nascimento. Muitas das complicações envolvendo o cérebro ainda podem estar por vir: as crianças infectadas durante o último surto de trasmissão desse vírus tem apenas cerca de três anos de idade; o estudo ressalta disfunções neurológicas que só se tornariam aparentes conforme elas atinjam a adolescência, ou mesmo a idade adulta.

Esse importante trabalho foi publicado na revista científica americana Science Translational Medicine. Em um post no nosso blog no início do mês, resumimos seus principais resultados. Agora, tivemos a oportunidade de entrevistar as neurocientistas que fizeram parte dessas descobertas!

A Dra. Julia H. R. Clarke é professora adjunta no Departamento de Biotecnologia Farmacêutida da Faculdade de Farmácia, na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ela lidera um grupo de pesquisa que se dedica a entender como eventos ocorridos ao longo da gestação, ou mesmo durante a vida de um indivíduo, podem “programá-lo” a responder de forma diferente, posteriormente. Por exemplo, uma infecção logo após o nascimento pode “programar” o sistema de defesa (imunológico) do corpo de uma pessoa a responder de forma exagerada ou excessiva a infecções ao longo da sua vida, mesmo muitos anos depois dessa primeira infecção. Essa programação se dá a nível celular e molecular. Nesse mesmo exemplo, as células do sistema imunológico (de defesa) desta pessoa se tornam super reativas – essa super reatividade pode ser explicada por alterações nas proteínas que estão ativas ou inativas dentro destas células.

Assim, o grupo da prof.a Clarke se juntou aos das virologistas profa. Dra. Andrea T. Da Poian e prof.a Dra. Iranaia A. Miranda, ambas da UFRJ, para estudar quais seriam as consequências a longo prazo da infecção pelo vírus da Zika durante o período perinatal, (logo antes ou logo após o nascimento). À frente dos experimentos, a Dra. Clarke posicionou suas alunas de pós-graduação: Isis N. O. Souza (doutorado) e Paula S. Frost (mestrado), ambas biomédicas pela mesma universidade e, primeiras autoras do trabalho.

Será que os bebês infectados pelo vírus da Zika em 2015 estariam “programados” a responder de forma diferente a eventos no futuro? E se sim, o que podemos esperar para eles nos próximos anos? Há algo que podemos fazer para evitar complicações neurológicas futuras? Essas e outras perguntas foram respondidas pela própria prof.a Clarke, e suas alunas de pós-graduação, M.a Souza e Bel.a Frost, em uma entrevista exclusiva ao NeuroPod.

Ouça a entrevista na íntegra clicando aqui.

Representacao Souza Frost et al 2018 portugues.001

A figura resume as principais descobertas do estudo brasileiro, para ler mais, clique aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s