Blog, Podcast

NeuroCovid: como a COVID-19 pode afetar o cérebro?

A COVID-19 pode afetar diversos órgãos e sistemas, incluindo o cérebro.

A COVID-19 possui características complexas que vão além dos notórios sintomas respiratórios. Relatos de sintomas neurológicos em pacientes com COVID-19 começam a se acumular. Eles possuem variada severidade, incluindo desde perdas no olfato, no paladar e dores de cabeça, a derrames (acidente vascular encefálico), coma, síndrome de Guillain-Barré e epilepsia. Dependendo da população analisada, as alterações do sistema nervoso acometem de 35 a 57% dos pacientes hospitalizados com COVID-19 e podem ser responsáveis por 4% das mortes. Ainda, confusão mental e alterações de consciência estão associadas à maior gravidade da doença. Devido a sua relevância, foi cunhado um novo termo para os sintomas neurológicos associados a COVID-19, a NeuroCovid. Esse é o tema do nosso podcast esse mês, clique aqui para ouvi-lo.


O que são coronavírus?

Como explicado em mais detalhes em publicação anterior, os coronavírus são uma família de vírus grandes que causam doenças gastro-intestinais e respiratórias em animais e humanos. Os coronavírus não eram conhecidos como causadores de doença grave em humanos até a disseminação da SARS (Síndrome Respiratória Aguda Severa), em 2002 na Ásia e da MERS (Síndrome Respiratória do Oriente Médio), em 2012. Recentemente, um novo coronavírus emergiu em Wuhan na China, causando a COVID-19 (Doença por Coronavírus-19). O novo coronavírus foi nomeado SARS-CoV-2, por ser um coronavírus semelhante geneticamente ao que causou a SARS (SARS-CoV). Ele rapidamente se espalhou pelo mundo, causando grave crise de saúde por sua alta capacidade de disseminação e potencial letal.


Outros coronavírus causam alterações nervosas?

Sim. A capacidade de invadir o sistema nervoso central (SNC) parece ser uma característica conservada entre os coronavírus. A epidemia de SARS, por exemplo, também foi associada a sintomas neurológicos. O material genético ou proteínas do SARS-CoV foram encontrados no líquido que banha o SNC (líquor) e no cérebro de pacientes infectados. Em modelos da doença em roedores, o SARS-CoV invade rapidamente o SNC e infecta o tronco encefálico, local onde se encontra importante centro de controle cardiorrespiratório. É importante destacar que, além de relacionados geneticamente, o SARS-CoV e o SARS-CoV-2 compartilham mecanismos semelhantes de invasão celular. Por essas semelhanças, alguns autores sugeriram que o SARS-CoV-2 também poderia invadir o SNC através dos nervos responsáveis pela olfação e, que essa invasão poderia ser anterior e parcialmente responsável pela falência respiratória aguda induzida pela COVID-19. Mas é claro, isso ainda é uma hipótese.


O que se sabe da COVID-19 e o cérebro?

Sintomas neurológicos são comuns em pacientes com COVID-19 e, confusão mental e distúrbios de consciência são associados à gravidade da doença. O material genético (RNA) e as próprias partículas do vírus SARS-CoV-2 foram recentemente detectadas em autópsias de cérebro de pacientes infectados. O material genético do vírus também foi detectado no líquor de um paciente. Neurônios e células da glia possuem o receptor necessário para fusão com o vírus (a enzima conversora de angiotensina-2, ACE-2). Apesar de ainda não termos claro se o vírus infecta de fato as células nervosas, evidências do mecanismo pelo qual a COVID-19 pode causar doença e mesmo sequelas no cérebro começam a surgir:

  • Pacientes com COVID-19 severa apresentam maiores níveis de marcadores de dano neuronal e glial no sangue.
  • Em experimentos com mini-cérebros cultivados em laboratório, o SARS-CoV-2 induz a morte de neurônios e alterações moleculares semelhantes a de doenças neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer.
  • O risco para COVID-19 severa é maior em pessoas que possuem uma variação genética na proteína APOE (APOE4). De forma intrigante, essa mesma variação é o principal fator de risco genético para desenvolvimento da doença de Alzheimer não familiar. Ademais, essa variação genética na proteína APOE perturba o funcionamento da barreira que protege o sistema nervoso de infecções do corpo (barreira hematoencefálica) e aumenta o risco de desenvolvimento de demência.

A COVID-19 também poderia causar alterações no cérebro indiretamente por meio da inflamação.

Pacientes com COVID-19 grave desenvolvem um quadro de sepse. Sepse é uma inflamação generalizada do corpo causada por algum patógeno e muito grave. Ela causa disfunção múltipla dos órgãos e a pressão arterial do paciente cai perigosamente. Na sepse e em pacientes com COVID-19 grave há uma “tempestade de citocinas”. Citocinas são moléculas liberadas pelo corpo e que promovem a inflamação. Uma dessas citocinas aumentada em pacientes com COVID-19 é a mesma que desencadeia a disfunção de sinapses e alterações de memória em roedores adultos infectados com o vírus da Zika. Ela é também um importante gatilho de alterações moleculares associadas ao declínio cognitivo na doença de Alzheimer. Eventos inflamatórios agudos podem alterar o funcionamento do cérebro de forma duradoura, agravando condições neurológicas pré-existentes ou mesmo aumentando o risco de desenvolvimento de doenças neurodegenerativas e depressão tardiamente. Pacientes sobreviventes à sepse frequentemente desenvolvem sequelas neurológicas e possuem maior risco de desenvolvimento de demências. Similarmente, é possível que pacientes sobreviventes da COVID-19 estejam sob maior risco de desenvolvimento de depressão, demências ou doença de Alzheimer daqui uns anos.

Por isso, é importante fomentar pesquisas sobre os possíveis efeitos agudos e prolongados da COVID-19 no cérebro para fomentar políticas públicas de acompanhamento de saúde adequadas pós-pandemia.


O que podemos fazer para prevenir os efeitos graves da COVID-19 no cérebro?

Infelizmente, a COVID-19 ainda não possui uma cura ou vacinas com eficácia comprovadas. Até o momento, a melhor forma de prevenção é evitar a exposição do vírus por meio das medidas de distanciamento social. Se por um lado as medidas de contenção da transmissão diminuem o risco de contágio da COVID-19, o isolamento social e a crise social geradas pela pandemia também trazem seus riscos para saúde mental. O isolamento social, a insegurança e os potenciais traumas (para os afetados mais diretamente) podem favorecer o surgimento de depressão e transtornos de ansiedade. Por isso, é importante relembrarmos os métodos que possuímos de promover o bem estar mental e a saúde do nosso cérebro:

O exercício físico é capaz de modificar nosso cérebro, aumentando a produção de fatores que estimulam a formação de novos neurônios e novas sinapses. Com isso, o exercício físico melhora a memória, diminui a ansiedade e pode prevenir a doença de Alzheimer.

Outras formas de promover o bem estar mental possíveis de serem aplicadas individualmente na pandemia são através da manutenção de uma alimentação saudável e da prática da meditação

E você? Não deixe de nos contar o que faz para se manter saudável e seu bem estar mental nessa situação atípica.

 

Para os cientistas de plantão, aqui vão algumas referências:

De Felice, F.G.; Tovar-Moll, F.; Moll, J.; Munoz, D.P.; Ferreira, S.T. Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2 (SARS-CoV-2) and the Central Nervous System. Trends Neurosci. 2020.

Chen, T.; Wu, D.; Chen, H.; Yan, W.; Yang, D.; Chen, G.; Ma, K.; Xu, D.; Yu, H.; Wang, H.; et al. Clinical characteristics of 113 deceased patients with coronavirus disease 2019: retrospective study. BMJ 2020, 368.

Mao, L.; Jin, H.; Wang, M.; Hu, Y.; Chen, S.; He, Q.; Chang, J.; Hong, C.; Zhou, Y.; Wang, D.; et al. Neurologic Manifestations of Hospitalized Patients with Coronavirus Disease 2019 in Wuhan, China. JAMA Neurol. 2020.

Helms, J.; Kremer, S.; Merdji, H.; Clere-Jehl, R.; Schenck, M.; Kummerlen, C.; Collange, O.; Boulay, C.; Fafi-Kremer, S.; Ohana, M.; et al. Neurologic Features in Severe SARS-CoV-2 Infection. N. Engl. J. Med. 2020.

Romero-Sánchez, C.M.; Díaz-Maroto, I.; Fernández-Díaz, E.; Sánchez-Larsen, Á.; Layos-Romero, A.; García-García, J.; González, E.; Redondo-Peñas, I.; Perona-Moratalla, A.B.; Del Valle-Pérez, J.A.; et al. Neurologic manifestations in hospitalized patients with COVID-19: The ALBACOVID registry. Neurology 2020.

Tsai, L.-K.; Hsieh, S.-T.; Chang, Y.-C. Neurological manifestations in severe acute respiratory syndrome. Acta Neurol Taiwan 2005, 14, 113–119.

Lau, K.K.; Yu, W.C.; Chu, C.M.; Lau, S.T.; Sheng, B.; Yuen, K.Y. Possible Central Nervous System Infection by SARS Coronavirus. Emerg. Infect. Dis. 2004, 10, 342–344.

Ding, Y.; He, L.; Zhang, Q.; Huang, Z.; Che, X.; Hou, J.; Wang, H.; Shen, H.; Qiu, L.; Li, Z.; et al. Organ distribution of severe acute respiratory syndrome(SARS) associated coronavirus(SARS-CoV) in SARS patients: implications for pathogenesis and virus transmission pathways. J. Pathol. 2004, 203, 622–630.

Gu, J.; Gong, E.; Zhang, B.; Zheng, J.; Gao, Z.; Zhong, Y.; Zou, W.; Zhan, J.; Wang, S.; Xie, Z.; et al. Multiple organ infection and the pathogenesis of SARS. J. Exp. Med. 2005, 202, 415–424.

Xu, J.; Zhong, S.; Liu, J.; Li, L.; Li, Y.; Wu, X.; Li, Z.; Deng, P.; Zhang, J.; Zhong, N.; et al. Detection of Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus in the Brain: Potential Role of the Chemokine Mig in Pathogenesis. Clin. Infect. Dis. 2005, 41, 1089–96.

Li, Y.; Bai, W.; Hashikawa, T. The neuroinvasive potential of SARS‐CoV2 may be at least partially responsible for the respiratory failure of COVID‐19 patients.

Puelles, V.G.; Lütgehetmann, M.; Lindenmeyer, M.T.; Sperhake, J.P.; Wong, M.N.; Allweiss, L.; Chilla, S.; Heinemann, A.; Wanner, N.; Liu, S.; et al. Multiorgan and Renal Tropism of SARS-CoV-2. N. Engl. J. Med. 2020.

Solomon, I.; Normandin, E.; Bhattacharyya, S.; Mukeji, S.; Ali, A.; Adams, G.; Hornick, J.; Padera, R.; Sabeti, P. Neuropathological Features of Covid-19. N. Engl. J. Med. 2020.

Paniz‐Mondolfi, A.; Bryce, C.; Grimes, Z.; Gordon, R.E.; Reidy, J.; Lednicky, J.; Sordillo, E.M.; Fowkes, M. Central nervous system involvement by severe acute respiratory syndrome coronavirus‐2 (SARS‐CoV‐2). J. Med. Virol. 2020, 92, 699–702.

Kanberg, N.; Ashton, N.J.; Andersson, L.-M.; Yilmaz, A.; Lindh, M.; Nilsson, S.; Price, R.W.; Blennow, K.; Zetterberg, H.; Gisslén, M. Neurochemical evidence of astrocytic and neuronal injury commonly found in COVID-19. Neurology 2020, 10.1212/WNL.0000000000010111.

Ramani, A.; Müller, L.; Ostermann, P.N.; Gabriel, E.; Abida-Islam, P.; Müller-Schiffmann, A.; Mariappan, A.; Goureau, O.; Gruell, H.; Walker, A.; et al. SARS-CoV-2 targets cortical neurons of 3D human brain organoids and shows neurodegeneration-like effects. bioRxiv (Preprint) 2020, 2020.05.20.106575.

Kuo, C.-L.; Pilling, L.C.; Atkins, J.L.; Masoli, J.A.; Delgado, J.; Kuchel, G.A.; Mbbch, D.M. APOE E4 GENOTYPE PREDICTS SEVERE COVID-19 IN THE UK BIOBANK COMMUNITY COHORT. Journals Gerontol. Series A,.

Alzherimer’s Association 2019 ALZHEIMER’S DISEASE FACTS AND FIGURES; 2019; Vol. 15;.

Montagne, A.; Nation, D.A.; Sagare, A.P.; Barisano, G.; Sweeney, M.D.; Chakhoyan, A.; Pachicano, M.; Joe, E.; Nelson, A.R.; D’Orazio, L.M.; et al. APOE4 leads to blood–brain barrier dysfunction predicting cognitive decline. Nature 2020, 581, 1–6.

Nation, D.A.; Sweeney, M.D.; Montagne, A.; Sagare, A.P.; D’Orazio, L.M.; Pachicano, M.; Sepehrband, F.; Nelson, A.R.; Buennagel, D.P.; Harrington, M.G.; et al. Blood–brain barrier breakdown is an early biomarker of human cognitive dysfunction. Nat. Med. 2019, 25, 270–276.

Figueiredo, C.P.; Barros-Aragão, F.G.Q.; Neris, R.L.S.; Frost, P.S.; Soares, C.; Souza, I.N.O.; Zeidler, J.D.; Zamberlan, D.C.; de Sousa, V.L.; Souza, A.S.; et al. Zika virus replicates in adult human brain tissue and impairs synapses and memory in mice. Nat. Commun. 2019, 10.

           Lourenco, M. V.; Clarke, J.R.; Frozza, R.L.; Bomfim, T.R.; Forny-Germano, L.; Batista, A.F.; Sathler, L.B.; Brito-Moreira, J.; Amaral, O.B.; Silva, C.A.; et al. TNF-α Mediates PKR-Dependent Memory Impairment and Brain IRS-1 Inhibition Induced by Alzheimer’s β-Amyloid Oligomers in Mice and Monkeys. Cell Metab. 2013, 18, 831–843.

Kao, L.T.; Sheu, J.J.; Lin, H.C.; Tsai, M.C.; Chung, S.D. Association between sepsis and dementia. J. Clin. Neurosci. 2015, 22, 1430–1433.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s